Sobre a II Guerra Mundial – japoneses nos EUA

As cicatrizes do confinamento de descendentes de japoneses nos EUA durante a 2ª Guerra

  • 1 janeiro 2017
Toda a comida era preparada e servida pelos internosImage copyrightDOROTHEA LANGE
Image captionDescendentes de japoneses fazem fila para jantar em um campo de concentração em San Bruno, na Califórnia

O ataque a Pearl Harbor moldou a vida dos japoneses-americanos muito depois da Segunda Guerra Mundial ter terminado. Enquanto o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, visitava na semana passada o local, que fica no Havaí, o tratamento dado a esse grupo durante o conflito continuava a ressoar na paisagem política.

Em maio, Abe e o presidente dos EUA, Barack Obama, estiveram juntos em Hiroshima e fizeram história: Obama tornou-se o primeiro presidente norte-americano a visitar o local do ataque atômico. Na última terça-feira, eles voltaram a se reunir em uma visita histórica a Pearl Harbor.

Quando os japoneses atacaram a base naval norte-americana em 7 de dezembro de 1941, o resto do mundo já estava em guerra. Pouco depois, os EUA se juntaram às forças aliadas.

 

Mais de 50 milhões de soldados e civis foram mortos, tornando o conflito militar no mais letal da história.

Ordens sobre remoção das pessoas de ascendência japonesaImage copyrightDOROTHEA LANGE
Image captionOrdens de exclusão distribuídas na Califórnia, dirigindo a remoção das pessoas de ascendência japonesa

Mas depois de Pearl Harbor houve consequências para outro grupo: cidadãos americanos de ascendência japonesa.

“A raça japonesa é uma raça inimiga”, escreveu o tenente-general John DeWitt no Relatório Final – Evacuação Japonesa da Costa Oeste, 1942.

 

“Enquanto muitos japoneses de segunda e terceira geração nascidos em solo americano, possuídos de cidadania americana, tornaram-se ‘americanizados’, as tensões raciais não estão diluídas”.

Em fevereiro de 1942, o Presidente Franklin Roosevelt emitiu a Ordem Executiva 9066, enviando 120 mil pessoas da costa oeste dos EUA para campos de concentração por causa de sua origem étnica. Dois terços deles nasceram na América.

Havia dez campos pelos Estados Unidos. Em média, os internos japoneses-americanos passavam três anos atrás de cercas de arame farpado.

A família Mochida em 1942Image copyrightDOROTHEA LANGE
Image captionFamília Mochida espera por um ônibus de evacuação em Hayward, Califórnia, em 1942

Seu encarceramento é relativamente bem conhecido, mas suas lutas não terminaram aí, especialmente para os japoneses-americanos como Lawson Iichiro Sakai, que tinha 18 anos em 1941.

“Tentei me alistar na Marinha dos EUA com três de meus colegas de classe brancos. Eles foram aceitos, mas eu não fui”, disse.

“Eu disse ‘Por que não? Sou um americano.’ Mas eles disseram que eu era um alienígena inimigo, então não era mais um cidadão americano.”

“Realmente me senti sendo rejeitado pelo meu próprio país”, lembrou o veterano de 93 anos.

Iichiro SakaiImage copyrightLAWSON ICHIRO SAKAI
Image captionIichiro Sakai foi inicialmente rejeitado pelo Exército dos EUA apesar de ser um americano

Quando os militares precisaram de mais soldados e abriram o alistamento aos japoneses-americanos em março de 1943, Sakai imediatamente se ofereceu.

Mais de 30 mil homens japoneses-americanos passaram a servir no Exército dos EUA. Muitos eram parte de uma unidade segregada conhecida como a 442ª Equipe de Combate Regimental.

Sob o slogan da unidade de “Go for broke!” (Vá com tudo!), eles foram enviados para algumas das batalhas mais duras.

A 442ª atacou Itália e França, e teve uma taxa de acidentes excepcionalmente elevada. O próprio Sakai foi ferido quatro vezes e recebeu uma Estrela de Bronze e um Coração Violeta, conderações militares.

Sakai disse que não se ressente com os militares dos EUA por enviarem repetidamente sua unidade para regiões perigosas.

“Você pode culpar os generais por usarem o melhor que tinham?” ele disse. “Ninguém quer morrer, e ninguém quer ver seus homens morrerem, mas nós estávamos tentando ganhar a guerra. A essa altura, nós já tínhamos provado que éramos americanos leais.”

Quando a 442ª retornou aos EUA em julho 1946, o presidente Harry Truman falou do trabalho da unidade em uma cerimônia na Casa Branca. Em um discurso, ele disse aos veteranos: “Vocês combateram não somente o inimigo, mas o preconceito – e vocês ganharam.”

Para continuar provando sua lealdade aos EUA, alguns japoneses americanos trabalharam como tradutores no Tribunal Militar Internacional para o Extremo Oriente, comumente conhecido como o Tribunal de Tóquio, criado para julgar os líderes do Japão por crimes de guerra.

David Akira Itami se ofereceu ao Exército americano depois de passar um ano em um campo de concentração. Ele estava ligado à inteligência do Exército, traduzindo documentos japoneses, antes de ser enviado para o Japão como oficial da ocupação pós-guerra liderada pelos EUA.

Former Japanese General, Hideki Tojo took the stand during the Tokyo Trials in January 1948Image copyrightAFP
Image captionTranslators for the International Military Tribunal for the Far East were torn between their two motherlands

Havia poucas pessoas que pudessem falar inglês e japonês em 1946, de modo que o trabalho de Itami era assegurar-se de que os intérpretes fossem precisos. No registro de julgamento, ele tentou deixar os generais japoneses terminassem suas frases antes de serem interrompidos.

Mas as experiências de Itami podem ter tido um preço. Ele tirou a própria vida aos 39 anos em 1950, pouco depois do fim dos julgamentos.

O tratamento dos japoneses-americanos durante a Segunda Guerra Mundial foi denunciado pelo presidente Ronald Reagan em 1988 como “uma política motivada por preconceito racial, histeria de guerra e um fracasso da liderança política”.

Ele assinou a Lei de Liberdades Civis para compensar mais de 100 mil pessoas de ascendência japonesa que foram presas em campos de concentração.

Mas no mês passado, Carl Higbie, apoiador do presidente eleito Donald Trump, disse que o internamento de guerra dos japoneses-americanos é um “precedente” para um registro de todos os imigrantes de países onde grupos terroristas estão ativos, uma medida que iria afetar largamente os imigrantes mulçumanos-americanos.

Mike Honda e seu pai em campo de concentraçãoImage copyrightMIKE HONDA
Image captionO congressista Mike Honda e seu pai quando sua família vivia encarceirada em um campo no Colorado

O congressista japonês-americano Mike Honda, que foi enviado para um campo quando criança, disse que as observações são “mais do que perturbadoras”.

“Isso é ódio, não política”, disse o congressista de 75 anos de idade em um comunicado. “Essa política de registro de uma minoria nos reduz, colocando nosso futuro nas mãos de um intolerante de mentalidade restrita dos anos 40.”

“Ninguém deve passar pelo que minha família e 120 mil pessoas inocentes sofreram, independentemente de sua raça ou religião ou de qualquer outra forma que eles escolheriam para tentar dividir-nos.”

Em uma entrevista à BBC, o congressista disse esperar que Trump “prove que as pessoas estão erradas fazendo uma declaração clara”.

“Mas suas escolhas de gabinete até agora me deixam nervoso”, disse Honda. “Ele pode ser influenciado por aqueles com opiniões mais extremas que selecionou para ser parte de sua administração.”

Fonte: http://www.bbc.com/portuguese/internacional-38440118?ocid=socialflow_facebook

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s